Qual a diferença entre o preço e o valor no mercado residencial?

No setor imobiliário, mais especificamente no ramo da avaliação, há uma diferença entre os conceitos de valor e preço. De acordo com o consultor em finanças imobiliárias, Gonçalo Rodrigues, que escreve para o Doutor Finanças, o preço reflete sempre o montante pelo qual um negócio é realizado, nomeadamente o valor da escritura. Por seu lado, o valor não é mais do que um valor de avaliação atribuído por um Perito Avaliador Independente.

Segundo o consultor, este último resulta da análise do perito relativamente ao tipo de imóvel e respetiva localização. De realçar que o valor deverá ser baseado numa amostra de transações que permita obter um resultado final tão próximo quanto possível de um preço de venda. Ainda assim, trata-se de uma estimativa, ou seja, não é idêntico a um preço de venda.

Ao comparar as estatísticas sobre o VMAB e sobre os preços medianos na habitação, publicadas pelo INE, Gonçalo Rodrigues concluiu que Portugal apresentava um preço mediano de venda ligeiramente acima do valor pelo qual os bancos avaliam as casas, no final do 1.º trimestre deste ano.

Saliente-se que desde que a estatística dos preços medianos é publicada que o preço situa-se sempre acima do valor, faz notar Gonçalo Rodrigues. O maior diferencial ocorreu no 2.º trimestre de 2018, com os preços a fixarem-se 12,8% acima da avaliação dos bancos. Em sentido inverso, o menor diferencial ocorreu agora no final do primeiro trimestre de 2021.

De acordo com o consultor, de um total de 308 municípios, são apenas 34 aqueles onde o valor de avaliação bancária se encontra acima dos preços medianos de venda. Na maioria dos concelhos em Portugal, os preços de venda das casas estão acima do valor pelo qual os bancos as avaliam, sendo que o diferencial entre preços e avaliação em Lisboa é de 5,2% e no Porto é de 18,2%.

Mas o que é que isto significa?

Atualmente, existe pouca relevância ao facto de um banco avaliar uma casa acima do seu preço de venda. Isto porque num processo de contratação de um crédito à habitação, o banco toma para efeitos de garantia, o menor valor entre a avaliação e o preço (valor da escritura).

Leia Também: Moratórias: “Extensão não é solução”. DECO reforça o regime transitório

pin up

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *